Sobre os noivos

Era 3 de outubro de 2012. Ele tinha acabado de chegar na cidade e estava entusiasmado em explorar a noite sul-africana. Ela havia recém voltado de uma passagem rápida pelo Brasil depois de meses de intercâmbio. A vontade de sair ou qualquer motivação que existisse para que os dois estivessem ali, naquele momento, não era importante, pois a única certeza é a de que era para acontecer.

Rolou uma conversa, o primeiro beijo e a certeza de que os próximos dias seriam especiais. Um cenário mágico, coração aberto e sede de novas experiências eram parte de uma história que ultrapassaria a barreira da distância e dos descrentes.

Ele voltou para o Brasil. Ela ficou na África. Tudo conspirava para que encerrasse ali a tal aventura amorosa vivida em outro continente. Porém, sentimento é algo que não sabemos controlar e, surpreendentemente, a saudade e o amor só aumentaram com a distância.

Skype, telefone e mensagens. A vontade era estar 100% do tempo conectado. A impressão que dava era que uma parte dele estava em Cape Town e uma parte dela tinha ido embora para o Brasil.

O mês de outubro voou, novembro se arrastou e dezembro chegou para confortar os corações apaixonados. Dia 12 de dezembro de 2012 ele esperava ela e boa parte da família no desembarque do Aeroporto de Guarulhos. Olhares trocados, coração acelerado e uma só certeza: aquele sentimento não tinha mais volta e aquela história estava só começando.

Algumas visitas de lá, outras de cá, até que no dia 10 de janeiro de 2013 ele a surpreendeu com um pedido de namoro lindo e romântico em São Paulo. Ela disse o SIM mais convicto da vida e, naquele momento, além do compromisso entre ambos, se iniciou uma relação intensa com aeroportos e companhias aéreas.

Foram três anos viajando. Vôos perdidos, vôos atrasados, noites mal dormidas. Nada disso parecia importar quando se tinha a sensação incrível do reencontro todo final de semana. Porém, apesar de chegadas que reconfortavam o coração, as partidas eram muito difíceis. Ela chorou, chorou muito durante os vôos. Ele decorou o caminho de volta dos aeroportos até São Caetano do Sul. Aquela uma hora e quinze de vôo pareciam uma eternidade sem poder mandar mensagens ou dizer o quanto um sentia a falta do outro apenas 2 segundos depois da despedida.

Era 10 de setembro de 2015, uma quinta-feira chuvosa como outra qualquer em Porto Alegre. Ela voltava do trabalho, ele havia se queixado durante o dia sobre algumas frustrações profissionais. Ele parecia precisar conversar. Ao chegar em casa, o choque com um cenário cinematográfico: velas, flores, bombons e, em cima da cama, o tão sonhado anel de noivado. SIM! SIM! SIM!

Em outubro de 2015 veio a mudança. Uma proposta de trabalho para ela, uma nova casa para ele, uma cidade nova para quem não costuma criar raiz e, enfim, o sonho de morar junto se concretizava.

Os meses passaram e as certezas se tornaram mais presentes. Ele não vive mais sem ela e ela não se imagina mais sem ele. O amor é um fato, o convívio é maravilhoso, a parceria indiscutível e o que mais poderia faltar? A tão sonhada festa de casamento!